16/09/2013

Utah, Arizona e Nevada - o paraíso mora ao lado, na terra dos índios navajos - PARTE I

É tão interessante pois o texto mais acessado no blog (hoje em dia) é o de Las Vegas. Eu entendo que Vegas seduz pelo seu colorido vibrante, com hotéis magníficos por preços razoavéis e seus caça-níqueis e outlets tentadores mirando o seu bolso. O mundo inteiro quer ver as águas dançantes do Bellagio. Nada contra, mas eu quero te levar além desse paraíso artificial.

É uma grata surpresa quando arrumamos a mala sem muitas expectativas para uma viagem e de repente pelo caminho começam a surgir lugares lindos, mágicos, nunca imaginados e a viagem vai se transformando em uma das mais lindas da sua vida.  E esse foi o sentimento nessa road trip de seis dias divididos em 1800 quilômetros mergulhando na maior reserva indígena dos Estados Unidos, passando pelos estados de Nevada, Arizona e Utah. E parece até ironia porque toda essa maravilha da natureza tem seu ponto de partida e chegada na transloucada e plastificada Vegas.

É meus amigos, o paraíso está bem ao lado mas é ofuscado pelos neons da grande Strip. Sorte a nossa. E eu posso te garantir: essa viagem ao coração da terra dos índios navajos é muito, mas muito mais bonita, emocionante e benéfica para o coração e para alma do que qualquer jogatina de casino.

Se você realmente gosta de pegar estrada, ver e sentir de perto a natureza, passar por desertos, parques nacionais, se perder por cidades fantasmas, ouvir o silêncio e admirar o pôr do sol, você precisa conhecer essa imensidão de terra, que em grande parte pertence a tribos indígenas.


Aluguel de carro

Não é difícil programar essa viagem. A primeira coisa a se fazer é alugar um carro em Vegas. Eu aconselho programar essa viagem entre cinco a sete dias. Quando você aluga um carro por uma semana a diária fica mais barata. É uma regra bem comum nas locadoras. Segue alguns sites que tem boas cotações:

- Expedia
- Fox
- Thrifty
- Budget
- Dollar

Normalmente os preços variam entre 190 a 250 dólares (de uma locadora para outra) para uma semana de carro econômico. Minha sugestão é reservar sempre o mais barato e na hora negociar um upgrade. Por exemplo, um mustang (quase) zero bala saí por 420 dólares a semana, o que significa 60 dólares por dia. Se você gosta de pegar estrada, invista em um conversível porque é a combinação perfeita para esse tipo de viagem. Não esqueça do GPS (ou mesmo um mapa nas mãos) e prepare um setlist das suas músicas preferidas. Tudo isso faz a diferença.


Separe entre 200 a 250 dólares para a gasolina. Só para se ter uma idéia o trecho completo (1.800 km) da viagem (sem parar para dormir) dá aproximadamente umas 20 horas de estrada, ou seja, dividindo entre cinco a sete dias teremos uma média de três a quatro horas por dia no volante. Claro que alguns dias você deve dirigir menos e outros precisará compensar e isso é o que veremos mais a frente.

Só relembrando que o grande barato dessa trip é o caminho a ser percorrido, os "achados" que quero dividir aqui e que até então não sabia de suas existências.

O Itinerário 

http://roadtrippers.com/trips/51b64b977f3d77641800658a


Primeiro dia - 402 quilômetros ( Vegas até Flagstaff )

Como saímos meio tarde de Vegas (perto das 5pm) seguimos pela US 93 sentido Flagstaff até cruzarmos a Interstate 40 (antiga rota 66) passando pelo incrível Lake Mead onde aproveitamos a luz do final do dia. Nesse primeiro dia rodamos perto de 400 quilômetros até chegar em Flagstaff onde decidimos descansar para o dia seguinte. Dormimos no Travelodge na legendária rota 66.

preparando os equipos para as filmagens...



Segundo dia -  294 quilômetros ( Flagstaff até Page )

Acordamos cedo em Flagstaff e seguimos pela US 89. No caminho, fizemos uma parada para conhecer o Sunset Crater Volcano National Monument e o Wupatki National Monument.

Você precisa pagar 10 dólares para explorar essa região lindíssima que inclui além do vulcão, o monumento de Wupatki e o Walnut Canyon.




Nessa área, cerca de 900 anos atrás um vulcão entrou em erupção e hoje percorrendo suas trilhas dá para tocar e sentir as lavas petrificadas que mudaram para sempre a paisagem do local. É incrível ouvir o som da fragilidade que as lavas emitem enquanto você caminha sobre elas.



No mesmo parque, outra atração é o Wupatki Monument, as ruínas do maior povoado dos nativos americanos e que foi exterminado depois da erupção do vulcão no século XI. Ali você pode ver o que restou da estrutura e saber um pouco mais da história dos índios navajos.


Seguindo pela estrada 89, cruzamos e prosseguimos pela antiga US 160 sentido Tuba City. Cada vez mais imergidos na terra dos índios navajos e bem perto da fronteira do Arizona e de Utah, surge no caminho uma placa apontando para "Dinosaur Track". Aqui é um dos lugares no mundo onde geólogos e caçadores de dinossauros de plantão comprovam a existência da espécie. Não fomos atrás das pegadas, até porque já estava tarde, mas reza a lenda que elas existem.

Como estavámos próximos do fim do dia paramos para ver o pôr do sol. Nada mais restava ali do que um silêncio absoluto, uma imensidão de natureza com o céu alaranjado e o sol se escondendo por de trás de uma montanha bem vermelha. Depois que o sol desapareceu no horizonte, o céu rosa e lilás deu o ar da graça. Para mim, foi um dos lugares mais lindos de toda a viagem.

Na segunda noite da viagem dormimos em Page, no Arizona no hotel Travelodge com a diária por U$ 62.









Terceiro dia -  202 quilômetros ( Page até Monument Valley)

Um dos dias mais esperados da viagem por estarmos indo de encontro com dois gigantes da natureza e que nos inspirou nessa trip: o Antelope Canyon e o Monument Valley.
Acordamos cedo na simpática cidade de Page, tomamos um café da manhã daqueles típicos americanos, no estilo bagel, ovo e bacon e seguimos por uns 25 km até o primeiro parque que nos fez acreditar que essa viagem não seria em vão: o Antelope Canyon.

centro de Page
arredores do Antelope
arredores do Antelope


Na minha imaginação, chegaríamos de carro bem próximo ao local (como qualquer outro parque nacional), pagaríamos um valor simbólico e aí sim estaríamos liberados para ver a natureza atuando nas suas mais diferentes formas e cores. Ledo engano.

Acontece que a visita ao Antelope Canyon é totalmente comercializada pelos índios navajos e isso querendo ou não, tira um pouco a magia do lugar porque você é obrigado a fazer a visita com um guia, com horário marcado e muitos turistas pela volta.



O tour começa em um estacionamento ao ar livre onde você deixa seu carro. Lá mesmo você compra seu ingresso para visitar o Antelope que na verdade são dois e você precisa escolher qual quer ir: o Upper (superior) ou Lower (inferior). O mais famoso e que faz fama ao lugar é o Upper. E foi esse o escolhido da vez.


Com o ingresso nas mãos, saímos em excursão (oito em cada grupo) em um 4x4 safado de desconfortável por uns 10 minutos até chegarmos na entrada dessa formação rochosa bem estreita, onde a brincadeira é entrar por esses paredões coloridíssimos e observar luzes espetaculares entrando por suas frestas. E tudo é realmente incrível e único.


O passeio dura uma hora e meia e o grande desafio é driblar o ser humano (que não pára de matracar) para poder apreciar o local, ou mesmo fotografar. Nem sempre é fácil ser turista...

Não quero desanimar ninguém e pode ter certeza: vale muito a pena conhecer essa maravilha, porém eu faria diferente na segunda vez. Eu escolheria fazer o tour dos fotógrafos que começa às 11 da manhã com duração de duas horas. A promessa dos índios é que dá para se movimentar melhor, o número de pessoas circulando é bem menor, além da luz que é a ideal para apreciar a magia do canyon. O preço é bem mais salgado: pula de 40 para 80 dólares. Escolhemos o tour da uma da tarde e estava abarrotado de gente. Espero que você tenha mais sorte que nós.

Do Antelope, em Page, seguimos mais 188 km (começando pela AZ 98 e depois seguindo pela US 160 e depois US 163) até cruzar a fronteira do Arizona para Utah e dar de cara com a imponência do Monument Valley.






Para se ter idéia dos lugares por onde passamos, você pode conferir nessas imagens que captamos durante a viagem:


1000 miles from daniel azulai bittencourt on Vimeo.

15 comentários:

  1. Oi Candice, aqui é o Felipe Cuesta. Andei sumido, pois estava em Berlim e na Itália agora em junho! :-)Caramba, você segue nos apresentado locais espetaculares nos Estados Unidos hein, que nem suspeitávamos que existissem??!!! Belíssimo blog e fotos. Cada paisagem, cada visual... Gostei Muito. Parabéns. Bjs.
    Felipe
    www.doriopromundo.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Candice, sou eu de novo.Só pra dizer que já estou pilhado no aguardo da etapa do Monument Valley.
    Posta logo aê!!...Bjs,
    Felipe

    ResponderExcluir
  3. amigo Felipe! obrigada pelo carinho sempre! Adorei ler seu texto sobre Roma, muito bom e traduaz exatamente o que sinto da cidade...rsss
    Estou indo na segunda que vem para Paris, depois Grécia e Hungria!
    E lá vamos nós desvendando o mundo!
    Um grande abraço Felipe!
    Vou ler sobre Berlin agora!

    ResponderExcluir
  4. Caramba Candice, esse Antelope Canyon é um negócio de outro planeta!!!! Estou de queixo caído! Um dia vou lá ver com meus próprios olhos! Obrigado por nos apresentar tantas coisas diferentes.
    Paris??? Hum, belo local! Já estive lá em 4 oportunidades, mas acho muito difícil fazer um post sobre ela, pois fico pensando sobre o que seria possível dizer que ainda não foi dito... Mas, com o seu talento, tenho certeza que fará uma reportagem espetacular. Grécia e Hungria sob as suas lentes também será show. Não se esqueça de provar o maravilhoso vinho de sobremesa típico da hungria, o famoso tokaji.
    Em setembro, vou à Turquia e Praga e, como você bem diz, sigamos desvendando o mundo. Obrigado pelos elogios sobre o post de Roma e Vaticano.
    E, por fim, não poderia deixar de dizer, parabéns pelos mais de 100.000 acessos em seu blog. O que começou como uma brincadeira virou coisa séria. Você merece o sucesso. Um dia, devagarzinho, chego lá. Bjs, Felipe.

    ResponderExcluir
  5. Caramba Candice, esse Antelope Canyon é um negócio de outro planeta!!!! Estou de queixo caído! Um dia vou lá ver com meus próprios olhos! Obrigado por nos apresentar tantas coisas diferentes.
    Paris??? Hum, belo local! Já estive lá em 4 oportunidades, mas acho muito difícil fazer um post sobre ela, pois fico pensando sobre o que seria possível dizer que ainda não foi dito... Mas, com o seu talento, tenho certeza que fará uma reportagem espetacular. Grécia e Hungria sob as suas lentes também será show. Não se esqueça de provar o maravilhoso vinho de sobremesa típico da hungria, o famoso tokaji.
    Em setembro, vou à Turquia e Praga e, como você bem diz, sigamos desvendando o mundo. Obrigado pelos elogios sobre o post de Roma e Vaticano.
    E, por fim, não poderia deixar de dizer, parabéns pelos mais de 100.000 acessos em seu blog. O que começou como uma brincadeira virou coisa séria. Você merece o sucesso. Um dia, devagarzinho, chego lá. Bjs, Felipe.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Felipe pelas palavras! Seu blog é maravilhoso e estou sempre acompanhando suas dicas! Vou com certeza provar o tokaji.
    Praga é uma das minhas cidades preferidas, sabia? sou apaixonada pelo seu ar soturno...não deixe de ir no museu do Kafka, é imperdível. E a Charles Bridge é coisa de outro mundo. Um sonho! amo amo Praga.
    Turquia eu tenho muita vontade de conhecer. Boa sorte e que possamos trocar muitas figurinhas nessa vida. Um abraço amigo querido.
    Candice

    ResponderExcluir
  7. Oi, descobri esse blog ontem. A primeira postagem que eu vi foi um relato impecável de uma viagem em Yosemite. Realmente incrível esse post!
    Vi ao lado, no blog, o perfil de Candice Bittencourt, então imaginei que o blog fosse só escrito por ela. Pois bem, vim no início do blog e vi esse outro post também incrível sobre essa viagem "na terra dos índios navajos". Outra viagem impecavelmente relatada! Mas estranhei o fato de terem aparecido dois caras nas fotos e não uma mulher(provavelmente a Candice rsrs). Aí fiquei confuso, porque imaginei que o blog fosse escrito somente por ela, visto que só há o perfil do lado no blog.
    Eu, quando acesso blogs de viagem, faço muita questão de saber um pouco da história dos escritores, até pra entender melhor o contexto de cada viagem de acordo com quem está a relatando. Ainda li apenas esses dois posts, não li ainda outros. Então, queria, se possível, saber quem são esses caras? Eles também escrevem o blog? Ah, queria parabenizar demais pelo blog, porque é sensacional, a linguagem é muito boa, os relatos são envolventes, as imagens são sensacionais. Li apenas dois posts, mas pode(m) ter certeza que me tornarei um leitor assíduo do blog! Parabéns novamente e grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá Sandir, tudo bem? desculpe não responder prontamente, mas é que estou na estrada de novo e meio fora do mundo virtual até dia 03 de setembro. Logo em breve vou escrever sobre Paris, Grécia ( que estou amando) e Hungria.

    Obrigada pelas palavras carinhosas e fico feliz que gostou dos relatos. Eu realmente gosto muito de escrever, ainda mais sobre natureza e me empolgo quando tento descrever o indescritível...rsss

    Bem, tudo que você lê no blog é de minha autoria e algumas fotos são minhas também e outras são do meu marido Daniel que também é o responsável por todos os vídeos ( Tailandia, desertos, Europa ) que estão no A Vida é uma Viagem.

    Nessa nossa última viagem nosso amigo Erik viajou conosco para desvendarmos juntos essa terra linda dos índios navajos ...dessa vez não coloquei fotos minhas, mas eu apareço de vez em quando nas fotos sim...É que acredito que escrevendo já estou colocando a minha personalidade no blog e penso que já é o suficiente sabe...

    Obrigada por acompanhar e o que precisar de ajuda pode contar comigo!

    Um abraço

    Candice

    ResponderExcluir
  9. anacarvalho11@yahoo.com.br8/08/2013 11:05:00 AM

    Oi Candice, Adorei seu blog. Estou iniciando neste mundo virtual agora e também estou escrevendo um blog de viagem para pessoas com mais de 50 anos que não querem fazer parte dessas excursões caretas para terceira idade, assim como eu. Com essa idade fica difícil colocar uma mochila nas costas e sair por ai sem lenço e sem documento, mas tb não queremos ir nessas excursões caretas sem liberdade para escolher e arriscar, um pouquinho que seja, novos caminhos. Estou indo com uma amiga para San Francisco agora em outubro e estava pensando em fazer exatamente o itinerário dos arredores de Las Vegas percorrendo todos os parques por ali. Foi um grande achado o seu blog. Tem todas as informações que estava buscando. Aguardo ansiosamente as próximas postagens. Espero que vc volte logo de sua viagem e termine o post do Monument Valley antes da minha viagem.
    Um grande abraço e curta muito a Europa e depois nos conte tudo.
    Ana Carvalho

    ResponderExcluir
  10. Acabamos de voltar do EUA, e nosso roteiro incluiu vários desses lugares que comentou. Fomos tambem pra Yosemite na Califórnia. Foi a viagem que menos vimos brasileiros, só 5 em 18 dias de viagem. Bem triste perceber que Las Vegas é mais apreciado que essas estradas lindas e parques espetaculares que os Estados Unidos possuem. O segundo parágrafo desse post é ABSURDAMENTE familiar! hehe Adorei o que escreveu! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gabriela, tudo bem? que bom que vocês passearam por lugares diferentes, fico muito feliz de saber! Esse é o maior objetivo do meu trabalho...tentar mostrar um lado diferente na hora de viajar pra não caír sempre no mesmo lugar onde todos vão. Um abraço e muitas viagens pra vocês!

      Excluir
  11. Candice, não se um dia poderei agradecer como devo sua generosidade de nos levar até esta round trip.
    Fiz ela seguindo seus passos e posso dizer que foi a viajem mais interessante que fiz em minha vida. Monument Valley, as estradas que chegam e saem dele, Valley of the Goods, a atmosfera navaja, o tom da natureza, tudo foi inesquecível. A natureza é uma grande artista!
    Passamos também pelo Grand Canyon. Acachapante. Combinei com minha filha que um dia voltaremos lá com mais tempo, descer até o Rio, e lá praticar Yoga. Você conheceu o Grand Canyon?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é demais né Raquel? um dos lugares mais lindos que eu já vi de natureza! Já estive no Grand Canyon sim, mas apenas no platô...gostaria muito de descer e tocar no rio Colorado. Quem sabe um dia...bjo

      Excluir
  12. Oi Candice,
    Parabéns pelo post!!!
    Estou indo pro GC e depois vamos dormir em pra Page. Queremos ir no Antelope canyon, vc acha que esse tour de 1h tá bom?
    Qto tempo leva pra visitar o Horseshoe Bend?
    Vale a pena ir no Lake Powell e Glen Canyon? Qto tempo gastaria?
    Obrigada,
    ERica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Érika, tudo bem? sim, esse horário de 1 da tarde é bom que o sol está à pino, ou seja entrando nas frestas do canyon o que fica lindo lá por dentro...
      O Horseshoe Bend você deve levar umas 2 horas no máximo para visitar se for apenas conhecer assim sua paisagem, é claro.
      O Lake Poweel você durante a estrada vai acabar cruzando por ele, então nem se preocupe que ele vem até você, bem do ladinho da estrada...
      E o Glen Canyon eu acabei não visitando por isso não posso falar muito...mas boa sorte na sua road trip! Viajar por essas terras é sempre incrível!

      Excluir

se quiser mais informações, por favor mande um email para
vidaeumaviagem@gmail.com
obrigada